O PORTAL DE NOTÍCIAS DO
GRUPO SUL BRASIL DE COMUNICAÇÃO
 Colunistas

Quirino Ribeiro

Com mais de 45 anos de atuação jornalística, Quirino Ribeiro já passou pelos principais veículos de comunicação do País. Atualmente, é gerente comercial do SBT/SC - região Oeste, comentarista na Rádio Chapecó, colunista no Jornal Sul Brasil e, de agora em diante, se fará presente também no Portal Oeste News. De segunda a sexta-feira acompanhe aqui o que é destaque no Brasil. 


E-mail: quirino@scc.com.br

O Grande Oeste precisa de atenção!
16/01/2020
Quirino Ribeiro

“Algumas pessoas sonham com o sucesso. Enquanto isso outras acordam e trabalham duro para isso”. (Mark Zuckerberg)


Importante a colocação expoente do agronegócio e do cooperativismo, José Zeferino Pedrozo, Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (Faesc) e do Conselho de Administração do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/SC) - Florianópolis/SC, em defesa de uma grande e extremamente produtiva região de nosso estado.


O GRANDE OESTE PRECISA DE ATENÇÃO!                                              


Como catarinense acompanho há décadas os anseios da população do grande oeste catarinense por investimentos na ampliação e melhoria da infraestrutura dessa fascinante e produtiva região. Distante do litoral, da capital e dos grandes centros de consumo, com uma topografia severamente acidentada e abandonada pelos sucessivos governos, a região parecia fadada, no início do século passado, a viver um processo de entropia e isolamento.


AS EMPRESAS COLONIZADORAS DA ÉPOCA


Começaram a atrair imigrantes europeus que fugiam da guerra com a entrega de terras na vasta e inóspita região. Etnias profundamente vocacionadas para o trabalho e para a vida comunitária – como a alemã e a italiana – tornaram-se protagonistas desse universo em transformação. Assim, primeiro irrompeu o ciclo da erva-mate e, depois, o da madeira. Quando o extrativismo deu sinais de esgotamento, surgiu o cultivo de lavouras e a ideia da criação intensiva de pequenos animais (aves e suínos) para abate e processamento industrial.


PIONEIROS VISIONÁRIOS


Sob a batuta de pioneiros como Attílio Fontana, Saul Brandalise, Plínio Arlindo de Nes, Irmãos Paludo e Aury Luiz Bodanese, entre outros, surgiram pequenas (que depois se agigantaram) agroindústrias, como Sadia, Perdigão, Frigorífico Chapecó, Seara e Aurora com a proposta de um sistema integrado de produção, no qual indústria e produtor rural viraram parceiros.


MODERNAS TÉCNICAS DE MANEJO


Profilaxia e gestão foram introduzidas. A produção explodiu. O oeste tornou-se centro mundial da proteína animal. A mais avançada indústria da carne está instalada nesse território. Toda a transformação resultante do talento humano, do trabalho dos pioneiros e do capital dos primeiros pequenos empreendedores gerou uma estrutura de produção admirável, formada pela extensa base produtiva no campo e um avançado parque agroindustrial, compondo um notável ambiente de produção e de negócios.


SÃO CENTENAS DE INDÚSTRIAS


Trabalhando direta ou indiretamente em sintonia com mais de 190 mil estabelecimentos rurais. Essa gigantesca máquina produtiva gerou bilhões de dólares em riquezas exportadas e milhões de dólares em arrecadação tributária para os cofres do Estado e da União Federal.


É INCOMPREENSÍVEL


Que apesar dessa imensa contribuição, a região continua abandonada. O sistema rodoviário está deteriorado, as deficiências no fornecimento de energia elétrica comprometem a expansão industrial e ao mesmo tempo afetam milhares de propriedades rurais, enquanto o sistema de água requer urgente atenção.


OS AEROPORTOS


Esperam investimentos há décadas (especialmente o de Chapecó, um dos mais movimentados do sul do Brasil) e a reivindicação de ferrovias para conectar o grande oeste aos portos marítimos e também ao centro-oeste, depois de 30 anos, nem sequer tem projeto. Enfim, as deficiências infraestruturais da região são imensas. Compreensivelmente, várias manifestações de protesto estão ocorrendo em alguns municípios.


A GOVERNADORA EM EXERCÍCIO


Daniela Reihner percorreu neste mês as rodovias do oeste catarinense para conhecer a situação de cada uma com o objetivo de fundamentar a reivindicação de investimentos e orientar a ação da Administração Pública. Talvez advenha dessa iniciativa algum arrojado, necessário e oportuno programa de investimentos.


UMA REGIÃO QUE MUITO CONTRIBUI E POUCO RECEBE


O grande oeste acostumou-se com nada ou com quase nada. É uma das áreas mais injustiçadas do território catarinense. Falou e disse.



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

Senadores tentam impedir Moro
15/01/2020
Quirino Ribeiro

“Os privilégios devem ser para o Senado, competindo aos senadores o simples respeito”.


Senadores articulam uma forma de dificultar a ida do ministro Sergio Moro para uma das vagas do Supremo Tribunal Federal. Uma matéria em tramitação na Comissão de Constituição e Justiça do Senado altera a forma de escolha dos ministros do STF, determinando que o presidente da República escolha o indicado ao STF a partir de uma lista tríplice.


NA PROPOSTA


A indicação para uma vaga no Supremo deixaria de ser de livre escolha do Presidente da República, a partir dos critérios definidos pela Constituição, e passaria a ser feita, obrigatoriamente, a partir de uma lista de três nomes indicados por algumas instituições. Assim, um candidato à vaga seria indicado pelo Supremo Tribunal Federal; outro seria indicado pela Procuradoria-Geral da República dentre os membros do Ministério Público; e o último seria um jurista indicado pela Ordem dos Advogados do Brasil.


ALÉM DA PAUTA


Discutir o futuro da cidade e da região é uma questão importante na próxima campanha, pois há uma relação direta para o seu crescimento. A campanha eleitoral só começa em meados do ano, e as candidaturas só serão definidas a partir de abril – salvo as exceções -, mas o tempo será suficiente para uma discussão mais profunda sobre o futuro da cidade.


EM TODOS OS PLEITOS


O debate é superficial, focado principalmente em questões de saúde, educação e zeladoria, embora haja um expressivo elenco de outras demandas. Os novos tempos exigem projetos de longo e médio prazo e não apenas de gestão diária das questões do município. Se não houver planejamento, os investimentos minguam.


A MODERNA PRAÇA DA FAMÍLIA


Onde era a antiga garagem da Prefeitura no Bairro São Pedro, dentro do programa “Mãos à Obra” teve a ordem de Serviço entregue pelo prefeito Luciano Buligon para a construção. A estrutura será um espaço de serviços públicos, tipo “poupa tempo”, com diversos equipamentos para agilizar o atendimento ao cidadão, disponibilizará serviços para emissão de documentos, equipamentos e quadra esportiva, além de área de convivência. É uma obra com valor de R$ 3.152.251,50, com expectativa de entrega para a comunidade até o final do ano.


O PREFEITO LUCIANO BULIGON


No ato destacou que: “A Praça da Família é uma obra que chega para fazer a diferença na vida dos moradores e promover uma verdadeira transformação social em uma das regiões mais vulneráveis de Chapecó. É um momento muito especial. A comunidade da região Leste começa a ver se tornar realidade um sonho, uma prioridade, assumida como compromisso pela Administração Municipal”.


CRISE ENTRE EUA X IRÃ


Os possíveis impactos da crise entre Irã e Estados Unidos nas exportações brasileiras devem ser acompanhados com cautela. “Está muito cedo ainda, é um momento tenso para o mundo todo, mas isso ainda não nos afetou”, afirmou a ministra da Agricultura Tereza Cristina. O Brasil é o maior exportador de milho para o Irã: as vendas somam cerca de US$ 1 bilhão, correspondente à metade da balança comercial entre os dois países.


A MINISTRA


Reconhece que há uma apreensão, em virtude do cenário internacional, entre os agricultores brasileiros, que exportam ainda soja e farelo, carne bovina, açúcar, entre os principais produtos.  “Nós não podemos misturar mercado e agricultura com a parte de defesa nacional”.



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

Cadeia neles!
14/01/2020
Quirino Ribeiro

“Brasília já foi mais do que um aglomerado de prédios, funcionários públicos e escândalos”. (Bianca Lumiere)


No Brasil, cidadão sem renda alguma que rouba um pacote de leite no supermercado vai preso! Mas servidores públicos, com bons salários, que fraudam até para receber o Bolsa Família, e políticos, como o pastor e deputado Marco Feliciano, que tentou jogar nas costas do contribuinte tratamento dentário de R$ 159 mil – e ainda tentou justificar a despesa na Câmara Federal –, não têm penalidade alguma e ficam livres e soltos.


310 SERVIDORES DO DISTRITO FEDERAL


Indevidamente seus familiares, com até renda por pessoa de R$ 24 mil, recebiam valores do BCP (Benefício de Prestação Continuada), exclusivo para idosos acima de 65 anos, e com renda mensal de apenas R$ 259,75. Dos 310 fraudadores identificados, 53 eram os próprios servidores públicos do DF. Essa é pequena amostra do que se faz com os recursos públicos no País. Há que se dar fim a essa orgia, colocando na cadeia os fraudadores de programas sociais.


GOVERNADORA EM EXERCÍCIO                                                                   


Daniela Reinehr encerrou a semana passada no Oeste, e seu roteiro de vistorias pelas estradas do Oeste catarinense, mostrando conhecimento e ciente do descaso para fazer um levantamento atualizado de nossas rodovias, da importância da infraestrutura e do muito que se perde da produção com a precariedade.


NO ENTRONCAMENTO


Das duas rodovias federais, BR 158 e BR 282, a governadora em exercício encontrou muitos cereais na beira da estrada, parte da carga da produção da região que se perde em função da má condição de trafegabilidade. Segundo Daniela, os vídeos da situação das rodovias já foram enviados para autoridades federais.


DESTACOU A GOVERNADORA


“Temos desafios gigantes pela frente, mas cabe a nós ir à luta e conseguir esses recursos. Esse descaso vem de muito tempo, mas precisamos de infraestrutura para nos desenvolvermos plenamente. Perdemos muito da nossa produção por conta das rodovias ruins. Isso precisa mudar”. Nesta semana, a governadora em exercício cumprirá agenda em Brasília para ir em busca de recursos para as BRs que cortam o Oeste e também ira interceder em busca de recursos e junto ao governador Moisés e secretaria de infraestrutura em Florianópolis. 


HOMENAGEM EM MARAVILHA


A governadora em exercício recebeu uma homenagem da Câmara de Vereadores de Maravilha, a sua cidade natal, por se tornar a primeira mulher a assumir, ainda que interinamente, o Governo do Estado. Na ocasião, Daniela agradeceu pela placa e reafirmou seu compromisso em lutar por uma infraestrutura de qualidade para o Grande Oeste.


EXPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO EM 2019


As vendas externas do agronegócio somaram US$ 96,8 bilhões no ano passado, representando 43,2% do total exportado pelo Brasil, segundo a Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Os destaques foram milho, carnes e algodão, que lideraram as exportações agrícolas. O milho registrou volume recorde de exportação, com 43,25 milhões de toneladas.


AS VENDAS EXTERNAS DAS CARNES


Passaram de US$ 14,68 bilhões em 2018 para US$ 16,52 bilhões em 2019, alta de 12,5%. A carne bovina foi a principal carne exportada pelo Brasil, com US$ 7,57 bilhões em vendas externas no ano de 2019 (+15,6%). Este valor é recorde para toda a série histórica. A China se tornou o principal país importador de carne bovina brasileira, responsável por 26,8% do volume total exportado. Com isso, ultrapassou a região administrativa especial de Hong Kong, que ficou na segundo posição, com 18,6%. (Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária (Mapa).



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

O que esperar de 2020?
13/01/2020
Quirino Ribeiro

“Um político pensa na próxima eleição; um estadista, na próxima geração”. (James Freeman Clarke)


Vivemos nos últimos anos uma grande crise econômica, que inviabilizou muitas realizações, sejam elas pessoais ou profissionais, e isso fez com que muitos se reinventassem, buscassem novas ocupações e até novas profissões.


NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA


Não foi diferente, foram superadas dificuldades, com trabalho dobrado, muito planejamento e buscar alternativas para gerir os problemas da cidade, oferecer o melhor para a população, sem diminuir serviços mesmo com imensa queda de receitas. Este 2020 traz grande expectativa a todos nós, cidadãos brasileiros que iremos votar este ano e esperamos ver nosso País voltar a crescer, a economia reagir e se fortalecer.


ELEIÇÕES MUNICIPAIS


É tempo de refletir, entender as dificuldades que foram enfrentadas, o quanto crescemos com essa batalha e, ao encontrarmos com a urna, não deixar que o excesso de expectativa norteie decisões; precisamos agir com coerência e entender que precisamos valorizar o esforço e a vontade que cada um, suas atribuições e quais as qualidades dos candidatos.


COM O ADVENTO DAS REDES SOCIAIS


As disputas ganharam um novo tablado, bastando acompanhar a sofisticação das ferramentas digitais. Pelo mundo afora, os pleitos têm sido travados distante dos tradicionais palanques, com alvos previamente definidos. O eleitor é induzido a ouvir o que quer e replica automaticamente a mensagem que lhe foi enviada.


NESSE PACOTE


Estão as fake news, que constroem e desconstroem reputações. O Tribunal Superior Eleitoral já antecipou uma série de ações para impedir a informação falsa, mas trata-se mais de uma pretensão do que um fato real, pois tal desafio tem sido enfrentado pelo mundo afora. Uma legislação dura é importante, mas o enfrentamento tem que ocorrer em outras frentes.


ADMINISTRAR UMA PREFEITURA


É como administrar a nossa casa, nem sempre é feito tudo o que se quer, mas tem que ser feito o que se pode e o que está ao nosso alcance, sem ultrapassar as disposições legais, com a responsabilidade de ser o gestor da cidade, com responsabilidade e respeito às pessoas.


CONCESSÃO DO AEROPORTO DE CHAPECÓ                                                                                                


O Tribunal de Contas de Santa Catarina autorizou a republicação do edital de licitação para a concessão do Aeroporto Serafim Enoss Bertaso. Conforme o prefeito Luciano Buligon o edital será publicado com prazo para recebimento das propostas superior ao que a lei estabelece, que é de 30 dias, e como recomenda Tribunal de Contas. A expectativa é abrir envelopes com as propostas ainda na primeira quinzena de março.


O EDITAL


Prevê julgamento pelo maior lance ou oferta, com outorga mínima de R$ 2.654.220,11 e outorga variável de 3,3% sobre a receita bruta a partir do 4º ano contratual, com valor estimado total de R$ 609.277.176,00, referente ao total de receitas tarifárias e não tarifárias, e prazo de 30 anos.


ITAIPU RURAL SHOW


Faltam apenas 16 dias para a 22ª edição. Uma das maiores exposições segmentadas para pequenos e médios produtores rurais está na agenda de 2020 em Pinhalzinho/SC, entre os dias 29 de janeiro e 1º de fevereiro com a presença de milhares de pessoas interessadas em novas tecnologias para o setor agropecuário. A promoção é a Cooperativa Regional Itaipu.


DURANTE TODOS OS DIAS DE EXPOSIÇÃO


O público poderá adentrar ao Centro de Difusão de Tecnologias da Cooperitaipu das 8h30min às 20 horas. Orientações técnicas sobre avicultura, suinocultura, bovinocultura de leite, horticultura, cereais, plantas medicinais, pastagens e ovinocultura serão disseminadas através das equipes que estarão atendendo os visitantes. O acesso é gratuito com estrutura de praça de alimentação no local.



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

Expectativa para 2020
10/01/2020
Quirino Ribeiro

“Sou responsável por aquilo que digo, não pelo que você entende”. (Autor desconhecido)


Este ano guarda em si série de expectativas. Estamos iniciando os anos 20 do atual século, com olhos na recuperação da economia nacional e na retomada de crescimento, mesmo ainda tímido, que são benéficas a todo brasileiro. Mas, mais que isso, vivemos momento em que se estabelecem novos conceitos de sociedade, modelos econômicos e comportamento humano.


CHAPECÓ


Com financiamentos junto à Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil e outros recursos de fontes distintas, como Governo do Estado e Parcerias Público-Privadas (Concessão do Aeroporto) os investimentos previstos totalizam R$ 130 milhões.  Agenda repleta de entregas importantes, novas obras, programas de modernização da infraestrutura e serviços municipais, ações todas norteadas por um único eixo central: fazer cidade voltada para as pessoas.


ENTRAS AS PRINCIPAIS OBRAS ESTÃO:


Centros de Saúde da Família em vários bairros, Centro de Atenção Psicossocial Álcool e outras Drogas, 20 novas salas de aula; Elevado; Recapeamento Asfáltico nas principais vias e acessos de Chapecó, Melhorias no Parque da Efapi; Drenagem pluvial e galerias; abastecimento de Água nas Comunidades Rurais; Abrigos de passageiros no interior; Centro de Inovação Tecnológica; Construção nova Sede do Corpo de Bombeiros Militar de Chapecó; Restaurante Popular do Bairro Efapi; Modernização da iluminação da Arena Condá, Ampliação e Modernização do Complexo Esportivo Verdão, dentre outros.


MERCADO AUTOMOTIVO


Brasil pode subir de oitavo para sexto maior mercado automotivo do mundo em 2020. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) estima que o setor registre, este ano, um aumento de 9,4% na venda de veículos novos. A projeção é de que 3,05 milhões de unidades, entre automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões sejam licenciados.  Ao avançar no ranking, em que ocupa o oitavo lugar, ultrapassaria a França e o Reino Unido. Em relação à produção para este ano, o volume deve chegar a 3,16 milhões. Em 2019, as montadoras fabricaram 2,94 milhões de unidades. A alta é de 7,3%, nesse caso.


EXPORTAÇÕES - RECUO


Quanto às exportações, a perspectiva é de recuo. Para 2020, a remessa deve se aproximar de 381 mil veículos, ante os 428 mil registrados no ano passado. "Ainda é lento, mas a gente tá vendo alguns sinais, e isso pode ajudar a retomar o consumo", disse o presidente da Anfavea, Luiz Carlos Moraes. "Estamos muito conservadores com a exportação. A gente não está vendo, pelo menos a curto prazo, a retomada", acrescentou, argumentando que o país "é muito dependente da Argentina" em relação à comercialização no exterior e que não vê nada que possa tornar o cenário mais favorável nesse sentido. (Conteúdo da Agência Brasil).


MILHO


O Brasil tornou-se em 2019 o maior exportador de milho do planeta com o embarque de 44,9 milhões de toneladas, um crescimento de 88% em relação ao ano anterior.  Superou até os Estados Unidos. "É uma situação que tem dois lados, enquanto beneficia o plantador de milho, ameaça acarretar sérios prejuízos para as cadeias produtivas da proteína animal e para o parque agroindustrial", analisa o vice-presidente da Faesc Enori Barbieri, ex-secretário de Estado da Agricultura. A cotação na BMF/SC já está em mais de R$ 50,00 a saca.


A INSUFICIÊNCIA DE MILHO


Será decorrência de fatores naturais (seca, queimadas, atraso no plantio e redução de área cultivada) e econômicos (aumento das exportações do grão em face da situação cambial favorável). A tendência é de quadro de oferta apertado em relação à demanda. Por isso, o mercado brasileiro de milho inicia 2020, com perspectiva de preços firmes pelo menos para este primeiro semestre.


QUAL A SAÍDA?


Segundo o presidente da Faesc José Zeferino Pedrozo – que também é vice-presidente da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) o assunto já foi levado à Brasília. A saída será ampliar as importações de milho da Argentina – que produz 50 milhões de toneladas e tem baixo consumo interno. Porém, o governo argentino decidiu tributar as exportações agrícolas, fato que encarecerá o preço final desse grão.


ROTA DO MILHO


Além disso, deve prosperar a chamada Rota do Milho que ligará o oeste catarinense com a região produtora do Paraguai. Esse país-membro do MERCOSUL produz 5,5 milhões de toneladas, mas pode chegar a 15 milhões com o estímulo das importações brasileiras. (Faesc).



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

As regras mudaram, e agora?
09/01/2020
Quirino Ribeiro

“A vida é um quadro em branco, cabe a você, fazer dela uma obra prima”.


Mudanças nas regras levarão os partidos políticos a buscarem bons de voto para garantir o quociente eleitoral e a consequente eleição de candidatos a vereador. A janela eleitoral, de 4 de março a 4 de abril, quando os políticos poderão mudar de partido sem riscos de perder o mandato, será emblemática para o processo sucessório, pois, só a partir daí, será possível definir os players do pleito de outubro. Até lá, os pré-candidatos ainda estarão avaliando cenários e as conveniências próprias do processo.


SEM COLIGAÇÃO PROPORCIONAL


E com a cláusula de desempenho funcionando, os partidos terão que mudar suas estratégias. Em grandes e médios centros, as celebridades serão o alvo para garantir votos. Como não será possível o efeito Tiririca, pelo qual tais personagens elegiam os mais votados das coligações, o foco agora é interno, isto é, cada partido vai ter que se virar sozinho.


POR ISSO, NÃO HAVERÁ SURPRESA


Se também aumentar o número de candidatos a prefeito. A despeito de não haver ligação do voto proporcional (para vereador) com o majoritário (para o Executivo), há o entendimento de ser vital a candidatura própria para atrair a atenção para a legenda. Vários nomes deverão entrar no páreo.


MUITOS DESSES ATORES


Já estão em plena movimentação para garantir espaços. Faz parte do processo, mas há muito caminho a ser trilhado, por conta, inclusive, de possíveis acordos majoritários. Na Câmara, por exemplo, vários vereadores estão à disposição como candidatos a vice, o que pode implicar, também, profunda mudança no Legislativo.


COMO O ELEITOR MUDOU DE POSTURA


Nos últimos anos, e com as redes sociais construindo e desconstruindo biografias, é certo que será uma eleição diferente de outros anos, reforçada pelo próprio ânimo do eleitor de cobrar uma nova postura dos partidos. As manifestações pelo mundo afora são um teste importante para as legendas, pois elas, como as demais instituições, estão sendo colocadas em xeque pela exigência da mudança.


CENÁRIO POSITIVO PARA A AVICULTURA


O presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav) José Antônio Ribas Júnior aposta que o Brasil vai liderar o agronegócio mundial. O ano recém-encerrado foi bom para o setor em razão, principalmente, das gigantescas compras de carnes feitas pela China. Esse quadro vai permanecer em 2020, mas adverte que "é uma situação episódica que não vai durar para sempre". Por isso, recomenda cautela na ampliação da produção.


O DIRIGENTE REALÇA


"Somos competitivos em custo, temos competências ambientais inquestionáveis, somos uma avicultura livre dos problemas sanitários que afetam nossos concorrentes e sabemos produzir com qualidade". Por isso, os investimentos devem ser feitos na marca Brasil e no valor agregado dos produtos.


VEJAMOS ALGUNS SINAIS:


Voltamos a crescer nas exportações, a produção interna cresceu e temos um mercado interno que deve começar a se firmar. O desafio está no fato de que precisamos recuperar a rentabilidade e, assim, modernizar o parque industrial, investir em melhorias e ampliações para o atendimento de novas e melhores demandas. Também é importante dar retorno a todos que investem nesta cadeia de produção. Estes são pilares importantes que o ano de 2019 começou a construir e precisamos continuar em 2020.


AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS


De carne de frango foram fortemente favorecidas em razão das doenças que atacaram os planteis da China. Dada a extensão e intensidade do problema em questão, teremos a continuidade deste impacto durante 2020 e 2021, pelo menos. Mas é importante reforçar que o crescimento de exportação de 2019 ainda foi tímido se compararmos com a expectativa e oportunidades que foram projetadas. Para que em 2020 possamos crescer a índices mais elevados temos que seguir trabalhando forte na qualidade da nossa produção sem perder de foco a competitividade. (Fonte: Acav).



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

Hidroelétrica Itaipu
08/01/2020
Quirino Ribeiro

“Não se pode criar experiência. É preciso passar por ela”. (Albert Camus)


Uma potência com faturamento de cerca de 15 bilhões de reais disponíveis por ano, oriundos da venda da energia gerada em conjunto pela estatal brasileira Eletrobrás e por sua congênere paraguaia, a Ande. Dinheiro que, por ter origem em uma companhia binacional, passa ao largo do controle de órgãos como o Tribunal de Contas da União.


CAIXA PRETA DA ITAIPU BINACIONAL                                                         


Reportagem da Revista Crusoé, aponta através de documentos obtidos pela reportagem que a hidrelétrica funcionou, durante anos, como um generoso caixa que bancava mordomias que servia não apenas aos políticos, mas, com alguma diferença, também a altas autoridades do Judiciário. Viagens de ministros do Supremo Tribunal Federal, Superior Tribunal de Justiça, Tribunal Superior do Trabalho, de tribunais regionais federais e de tribunais estaduais.


DESDE 2013


Segundo a revista, a companhia desembolsou pelo menos 16 milhões de reais para eventos jurídicos diversos. O dinheiro que saía dos cofres de Itaipu custeou dezenas e dezenas de passagens em classe executiva para os Estados Unidos e a Europa e hospedagem em hotéis estrelados. Também foi usado para pagar palestras proferidas por magistrados, entre eles ministros do Supremo Tribunal Federal.


TUDO ERA VIABILIZADO


Por convênios firmados por Itaipu com entidades que pediam dinheiro com a justificativa de difundir conhecimento jurídico. A companhia, então, repassava as verbas a fundo perdido. A lista dos magistrados que de alguma forma tiveram despesas custeadas pelos cofres de Itaipu inclui seis dos onze ministros do Supremo Tribunal Federal: o atual presidente da corte, José Antonio Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Marco Aurélio Mello e Ricardo Lewandowski.


TAMBÉM APARECEM NA LISTA


O presidente do Superior Tribunal de Justiça, João Otávio de Noronha, e outros 18 ministros da corte. O rol de juízes de primeira instância e desembargadores é ainda mais extenso. Há ainda outras personalidades que, junto com os magistrados, foram convidadas para participar dos tais eventos.


SANTA CATARINA - PROJEÇÃO PARA 2020


O governador Carlos Moisés reuniu a imprensa nesta segunda-feira para fazer uma projeção para 2020. Na avaliação do chefe do Executivo estadual, o ano que se inicia deve ser de entregas para a população, após um 2019 dedicado ao reequilíbrio das contas públicas. Ainda assim, o alerta segue ligado para manter salários em dia e a máquina estatal funcionando.


PALAVRAS DO GOVERNADOR


“Santa Catarina tem uma posição privilegiada dentro do Brasil, mas ainda assim precisamos estar alertas. Estamos pagando dívidas herdadas, de coisas que já foram executadas. Esse ano será um grande teste. Precisamos manter os índices de arrecadação e, em relação aos benefícios fiscais, é preciso que haja um retorno para a sociedade. Tem de ser algo republicano”.


REFORMA DA PREVIDÊNCIA ESTADUAL


Sobre o projeto enviado ao Parlamento no fim do ano, a expectativa do Governo é que ele seja aprimorado pelos deputados estaduais, porém sem perder a sua essência. Moisés enfatizou que o envio da PEC se deu após um acordo entre os governadores. “Precisamos caminhar para que tenhamos uma Previdência equilibrada até 2030 ou 2035”.



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

Desigualdade
07/01/2020
Quirino Ribeiro

“A energia que você espalha é a mesma que você recebe. Surpresas são melhores que promessas”.


O valor do fundo eleitoral deverá ser sancionado em R$ 2 bilhões, aprovado pelo Congresso para eleições municipais deste ano. Quantia sugerida pelo próprio governo no orçamento enviado ao Congresso. Para quem não sabe, fundo eleitoral é verba pública que partidos recebem em ano de eleição para financiar campanhas. As legendas também têm recursos do fundo partidário.


NO ANO PASSADO


Foram repassados aproximadamente R$ 928 milhões. Ou seja, é dinheiro de nossos impostos para fazer campanhas de interesses pessoais a nossas custas. Nós damos dinheiro para eles nos enganarem. Por outro lado, o salário mínimo teve um aumento de R$ 41, passando de R$ 998 para R$ 1.039. É ou não desproporcional? Afinal não temos direitos iguais?


NESTE ANO


Teremos novamente eleições municipais. Você já se perguntou se o candidato de tua preferência tem o olhar voltado para a cidade ou está apenas preocupado com o próprio umbigo? Lembre-se: não existe governo corrupto e população honesta. Se você quer melhorar o País, melhore-se!


REFLEXÃO


As decisões que tomarmos este ano irão envolver toda a nossa sociedade. Refletir sobre o nosso comportamento, os compromissos assumidos e a nossa omissão é necessário, se querermos pensar no que vamos e devemos fazer para que tenhamos menos problemas em todas as áreas. E mais, em busca de um Brasil com menos distorções sociais. Por certo isto nos levará a uma situação diferente da que estamos passando atualmente.


AS MUDANÇAS DO BRASIL


Não há como não reconhecer que tivemos mudanças. É bem verdade que não se constrói um país em apenas um ano. Os números não nos deixam enganar, basta olharmos para a economia. Tivemos um crescimento pequeno, porém positivo. Grandes mudanças no combate aos crimes, apesar de Congresso e STF terem lutado para conter as investigações da Lava Jato e libertar da cadeia os poderosos, usando as brechas da lei e criando outras sempre com a finalidade de poupar poderosos.


NA INFRAESTRUTURA


O País deu um grande passo e certamente mais privatizações virão porque a meta é diminuir o tamanho do Estado, inchado em todos os governos passados. Apesar de alguns veículos de comunicação insistirem em não mostrar que o Brasil está no rumo certo, vamos caminhar torcendo para a criação de mais empregos e menos violência. Tenho a certeza de que se o Brasil avançar nas suas reformas, quem sairá ganhando serão todos os brasileiros.


BALANÇA COMERCIAL


Pelo segundo ano consecutivo o saldo da balança comercial decepciona. Os piores resultados vieram das vendas de produtos manufaturados, como automóveis, veículos de carga, autopeças, plataformas de petróleo etc. Também nos produtos semimanufaturados houve queda de vendas. É bom esclarecer que no ano passado, houve queda nas exportações de US$ 5,2 bilhões, para Argentina, já que esse país vizinho vive grave crise econômica.


PRODUTOS AGRÍCOLAS


Em razão da crise da febre suína na China, houve expressivo recuo de US$ 6,727 bilhões nas vendas de soja com relação a 2018. Porém, pela primeira vez em quarenta anos, os produtos básicos representaram mais da metade das vendas brasileiras ao exterior.


AGRONEGÓCIO CATARINENSE


Seguiu batendo recordes nas exportações em 2019. Com um agronegócio produtivo e voltado para o mercado externo, nosso agro é segue bastante expressivo. O grande destaque deste ano foi o aumento nos embarques de carnes e a ampliação da presença internacional.



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

Olhar para frente
06/01/2020
Quirino Ribeiro

“A ganância insaciável é um dos tristes fenômenos que apressam a autodestruição do homem”.


O ano de 2019 terminou sob o signo de transformações, mas segue como referência, mas o país precisa se voltar para os desafios do futuro, a começar pelos de 2020. O país experimentou, pela primeira vez nas últimas décadas, o primeiro ano de um governo declaradamente de direita. A economia passou por profundas mudanças – a começar pela reforma da Previdência – e aponta para números positivos em 2020. A segurança pública ainda é um desafio para os governos, e a educação tem sérias dificuldades para se recompor.


O MAIS IMPORTANTE, AGORA


É olhar para frente e avaliar os desafios de 2020, um ano marcado por eleições municipais, desta vez sob novas regras, como o fim das coligações proporcionais, uma experiência que serve de balão de ensaio para o pleito nacional de 2022. Os partidos só poderão se unir na eleição para prefeito, enquanto para a Câmara é cada um por si.


O PAÍS TEM UMA SÉRIE DE DESAFIOS


Que não dependem exclusivamente do Governo. As instituições precisam se avaliar, pois têm sido colocadas em xeque. Pelo mundo afora, os partidos políticos, especialmente, têm sido induzidos a mudar sob o risco de perder espaços. No Brasil, não é diferente. Desde 2013, quando o povo foi às ruas com uma agenda difusa, foram dadas as primeiras pistas do inconformismo popular com o velho modelo. Nem todos perceberam e mantiveram a velha prática. Perderam espaço.


EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS BÁSICOS


Pela primeira vez em quarenta anos, os produtos básicos representaram mais da metade das vendas brasileiras ao exterior. O resultado, obtido em 2019, foi divulgado pelo Ministério da Economia. No ano passado, as exportações somaram US$ 224,018 bilhões ao todo, dos quais US$ 118,180 bilhões (52,75%) correspondem a itens básicos. Em 2018, a parcela era de 49,81%. Produtos classificados como básicos são aqueles que não têm tecnologia envolvida ou acabamento, como minerais, frutas, grãos e carnes.


COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DA ECONOMIA


De acordo com o secretário Lucaz Ferraz, o aumento de exportações de maior valor agregado, ou seja, de produtos industrializados, é uma meta do governo Bolsonaro. Segundo analistas, o Brasil precisa aumentar a exportação desses produtos porque isso pode ajudar na geração de emprego e renda, além de proporcionar faturamento e lucro maiores para os produtores.


EXPORTAÇÕES CATARINENSES


Agronegócio catarinense bate recordes nas exportações em 2019. Com um agronegócio produtivo e voltado para o mercado externo, SC segue batendo recordes. O grande destaque deste ano foi o aumento nos embarques de carnes e a ampliação da presença internacional.


RICARDO DE GOUVÊA


Secretário de Estado da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, destacou: "O agronegócio de Santa Catarina encerra 2019 com muitas conquistas. Tivemos uma boa safra e a expectativa é de que a próxima colheita seja ainda melhor. Mas o grande destaque ficou por conta do desempenho da cadeia produtiva de carnes”.


ALGUMAS MUDANÇAS NO MERCADO INTERNACIONAL


“Alavancaram a produção de suínos, aves e bovinos. Aumentamos nossas exportações, o produtor teve seu produto mais valorizado e o agronegócio mais uma vez cumpriu seu papel no desenvolvimento e na economia de Santa Catarina".  As carnes são o carro-chefe das exportações catarinenses. De janeiro a novembro, o estado bateu o recorde histórico com as exportações de carne suína, ao longo do ano foram 373,5 mil de toneladas embarcadas, gerando um faturamento de US$ 766,4 milhões.


É IMPORTANTE LEMBRAR


Que Santa Catarina é o maior produtor nacional de suínos e o segundo maior produtor de aves. A produção baseada na agricultura familiar tem alcançado os mercados mais exigentes e competitivos do mundo. Grande parte das exportações catarinenses tem como destino o mercado chinês. China e Hong Kong concentram 59% de todo faturamento catarinense com os embarques de carne suína e 15% das exportações de carne de frango.


DIFERENCIAIS DE SANTA CATARINA


Santa Catarina é reconhecida internacionalmente pela qualidade do seu agronegócio e o cuidado com a saúde animal e vegetal. É o único estado brasileiro reconhecido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como área livre de febre aftosa sem vacinação e área livre de peste suína clássica. Na área vegetal, o estado é livre de Cydia pomonella, considerada o pior inseto praga da fruticultura, e também do Moko da Bananeira.



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.

De olho nas estradas
03/01/2020
Quirino Ribeiro

“A Motivação faz você começar. O Hábito faz você continuar”. (Autor desconhecido)


Mesmo sob críticas os radares móveis voltam a ser utilizados, especialmente num momento de grande movimento nas estradas resultado do início das férias. Está de volta o uso de radar móvel pela Polícia Rodoviária Federal. A medida é resultado de decisão judicial que suspendeu ordem do presidente Jair Bolsonaro. O presidente considera a prática uma indústria de multas e tirou de cena esse modelo de fiscalização. Com a sentença, quem for viajar neste período neste verão, início de férias deve saber que os agentes estão de olho novamente.


NÃO É DE HOJE


O discurso em torno da indústria da multa. Os críticos da fiscalização consideram que não pode haver uso de ferramentas nos moldes de emboscada, isto é, sem que o usuário saiba que está sendo analisado por equipamentos que medem a velocidade. Os radares fixos são precedidos por placas avisando a existência de fiscalização eletrônica.


POR OUTRO LADO


Os adeptos da medida a consideram fundamental para evitar o cinismo das rodovias: o motorista passa pelos radares fixos como um anjo, mas, tão logo vence essa etapa, acelera de novo, sem avaliar as consequências quando ultrapassa os limites. Os equipamentos móveis já flagraram veículos acima dos 200 quilômetros, quando o máximo no Brasil é de 110 quilômetros, como na BR 101 e a maioria é de 80 km/hora.


HÁ MARGEM PARA A DISCUSSÃO


Mas é fundamental levar em conta os riscos que o excesso de velocidade provoca. Basta ver os números. O Brasil é um dos campeões de acidentes de trânsito, não apenas pelo excesso de velocidade, mas também por outros tipos de imprudência. Também pesa a leniência do próprio Governo – federal ou estadual – quando não zela pela qualidade das vias. Em boa parte, faltam áreas de escape, e a sinalização é precária. Sem contar os buracos.


AS CAMPANHAS PEDAGÓGICAS


Continuam sendo a melhor alternativa para combater a violência no trânsito, mas está claro que, a despeito de várias advertências, ainda há os que se consideram acima da lei sem medir os riscos da imprudência. Os radares são adequados, sobretudo em áreas críticas com maior incidência de acidentes.


O SEGREDO DE SANTA CATARINA


Um setor produtivo forte e focado no mercado externo. Com apenas 1,12% do território brasileiro somos referência internacional em sanidade e qualidade agropecuária – status que leva os produtos catarinenses aos mercados mais competitivos do mundo. 


O COOPERATIVISMO DE SC


Obteve resultados positivos no ano de 2019 acima das expectativas. A avaliação é do presidente da Organização das Cooperativas do Estado, Luiz Vicente Suzin. O sistema cooperativista do Estado realmente iniciou 2019 não tão favorável para o agronegócio, mas depois foi acontecendo a melhoria do agronegócio, o setor de carnes, consequentemente, puxou também o preço dos cereais que isso é muito importante para o nosso produtor porque Santa Catarina a agricultura, apesar de ser um Estado pequeno, ainda representa muito.


O SISTEMA COOPERATIVISTA DO ESTADO


Fechar o ano passado acima da sua expectativa. Todas elas planejaram. Todas elas com resultado acima daquilo que foi almejado, muito importante para um sistema cooperativista que hoje se torna um exemplo para o nosso País, por ser um Estado pequeno. As nossas 260 cooperativas todas elas estão tendo sucesso nesse trabalho que o cooperativismo faz que é interessante para o crescimento do nosso Estado, mas para isso a gente sabe que temos um povo realmente que acredita, que aposta, por isso que Estado de SC cresceu.


O AGRONEGÓCIO


Em Santa Catarina representa muito para o nosso Estado e, principalmente, as cooperativas elas tem a força do cooperativismo que faz mover também o agronegócio no nosso Estado. Que seria hoje do Estado de Santa Catarina sem o cooperativismo forte que é. O cooperativismo é uma família. Que este ano de 2020 realmente seja um ano de crescimento.



Comentários e sugestões podem ser enviados para o e-mail quirino@scc.com.br.



Anuncie aqui

(49) 99955-3619
Saiba mais

Ciclone Bicicletas

(49) 3322-3366
Saiba mais

HORÁRIOS DE VOOS

Confira os horários de voos do Aeroporto Serafim Enoss Bertaso.

PROGRAMAÇÃO DE CINEMA

Confira a programação de cinema do Shopping Pátio Chapecó.

(49) 99955-3619
contato@portaloestenews.com.br

Newsletter

cadastre-se e receba nossas atualizações