O PORTAL DE NOTÍCIAS DO
GRUPO SUL BRASIL DE COMUNICAÇÃO


Como o desempenho fraco da economia pode afetar as eleições

29/08/2014
Recuo do PIB pode esquentar o clima do debate eleitoral e reverter tendência de alta da avaliação do atual governo

Com o encolhimento do PIB nos dois últimos trimestres, o Brasil entra na chamada recessão técnica. O cenário já era dado como certo pelos analistas econômicos, mas, apesar de não ser novidade, os números divulgados pelo IBGE podem esquentar o clima (já não tão ameno) do debate eleitoral daqui para frente.

“O impacto será negativo para o governo, a dimensão é que é difícil de prever”, diz Ricardo Ribeiro, da MCM Consultores.

A tendência é que até 5 de outubro, quando acontece o primeiro turno das eleições, o índice se transforme em munição contra Dilma Rousseff durante a campanha eleitoral.

Ou seja, tanto Marina Silva (PSB) quanto Aécio Neves (PSDB) devem usar os dados para endossar as críticas já tecidas por eles ao governo.

Dilma, provavelmente, já tem na ponta da língua a resposta aos ataques. “Tipicamente, o governo tem transferido a responsabilidade para o cenário internacional ao dizer que as economias que puxavam a brasileira não estão crescendo também”, afirma o professor Clemens Nunes da FGV.

Argumento que, segundo o professor, pode ser refutado com o cenário econômico de outros países que, mesmo com a crise, tiveram um desempenho melhor que o brasileiro - como os Estados Unidos que tiveram uma alta de 4,2% no PIB entre abril e junho. “Fica mais claro que a origem dos problemas não é necessariamente externa”, diz.

No fim de 2008 e início de 2009, quando o país registrou a última recessão técnica, a popularidade do então presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva teve um baque. Em dezembro, Lula era aprovado por 73% da população. Três meses depois, no ápice da crise econômica, os índices de aprovação do governo caíram nove pontos.

“Mas ele reagiu com um discurso forte assegurando que tomaria medidas para que a crise não fosse tão dramática no país”, conta Ribeiro. Conclusão: em setembro do mesmo ano, conforme pesquisa da CNI/Ibope, 81% dos brasileiros aprovavam a gestão do petista.

O cenário hoje é outro. “A aprovação do atual governo está num patamar bem diferente daquele que Lula tinha em 2008 e 2009”, diz Ribeiro. “O governo Dilma tinha uma ligeira tendência de alta. É possível que a tendência se reverta.”

Segundo pesquisa do Ibope divulgada na última terça, 34% dos brasileiros aprovam o governo da hoje candidata à reeleição. Em julho, o índice de aprovação era de 31%.

Contudo, em um eventual segundo turno contra Marina, Dilma perderia as eleições. De acordo com pesquisa Ibope, a candidata do PSB teria 45% das intenções de voto neste cenário e a petista, 36%.



Fonte e foto: Exame.com.






Anuncie aqui

(49) 99955-3619
Saiba mais

Ciclone Bicicletas

(49) 3322-3366
Saiba mais

HORÁRIOS DE VOOS

Confira os horários de voos do Aeroporto Serafim Enoss Bertaso.

PROGRAMAÇÃO DE CINEMA

Confira a programação de cinema do Shopping Pátio Chapecó.

(49) 99955-3619
contato@portaloestenews.com.br

Newsletter

cadastre-se e receba nossas atualizações